terça-feira, fevereiro 25, 2003


Gente... Desculpa esse tempo em silencio. Andei meio sem cabeça pra escrever aqui. Muitas coisas aconteceram... vamos a elas:



O Radical Dairy, essa linda casa da foto abaixo, simplesmente morreu. Foi uma morte previsivel, desde Janeiro... E até que ele viveu bastante. Um squat em Londres normalmente nao dura mais do que 4 meses. O Dairy durou exatamente 1 ano. Na verdade quando eu fui morar na casa ela jah nao estava como foi um dia. Desde que a policia cortou a eletricidade, as atividades foram completamente prejudicadas. Absurdamente fria, meu passatempo era sustentar a lareira. Nao era ruim. Mas tambem nao foi assim, um "maravilhoso" momento. A melhor fase foi quando a Yuli aqui esteve (minha amiga que mora na Grecia...). Depois fiquei meio atoa. E aos pouquinhos fui sentindo que a casa estava chegando ao seu fim. Primeiro chegou o processo de eviction, depois foi adiado o julgamento por algumas semanas, nova data de julgamento, o julgamento (no qual perdemos) e depois finalmente a data da eviction propriamente dita.



Minha apreensao era... para onde ir? Com os brasileiros que conheço aqui nenhum deu certo. Todos com casa cheia. Acabei deixando rolar, na rua provavelmente eu jamais ficaria, alguem iria me oferecer alguma oportunidade. No dia da eviction, o pessoal do coletivo do Dairy apareceu. Fez um certo barulho, um pouco de discussao com os fiscais. E eu fui parar no outro extremo do mesmo bairro. Num antigo clube de sinuca, o Eton.



Cheguei num dia de festa, muita gente, muito barulho. E no meio de todo aquele alvoroço, um par de lindos olhos me perseguia. E entre cidra, cerveja e marijuana nao deu pra saber muito sobre a dona daqueles olhos. No outro dia lah veio ela. Roberta, italiana, recem chegada a Londres. Tem 27 anos, mas eh de uma inocencia... E o sabado depois da festa foi 1000 maravilhas: passeamos pela cidade, andamos pela margem do Rio Thames, jantamos comida indiana. Olha..., a melhor novidade que poderia me aparecer aqui nessa cidade. Nunca me senti tao bem aqui...

quarta-feira, fevereiro 05, 2003


Continuando depois de alguns dias de descanso e loucura... buenas, eu chego lah. E agora pra voces a casa em que morei desde entao e onde estou morando ateh agora:

Radical Dairy
Eis o site do espaço.

Logo que saih do sul de Londres eu jah tinha em mente a possibilidade de bater na porta desse lugar. Eu tinha dado uma lida no site, e enfim, pirei com o lugar. Estava ancioso em conhece-lo. Eu jah tinha ido inclusive algumas vezes lah, mas das vezes que eu fui nao havia ninguem. Mas dessa vez tive a sorte de ir justamente quando iria rolar uma mostra de videos. Eram uns 4 videos sobre refugiados. Quem me recebeu foi uma inglesa, muito linda e simpatica, que pra facilitar bastante as coisas, falava espanhol muito bem. A casa tem um aspecto bem bucolico, nos faz sentir em alguma cidade no interior de... enfim. Nao nos sentimos em Londres. O espaço eh mantido por um coletivo de cerca de 10 voluntarios. Antes me falaram que haviam atividades quase todos os dias. Como era fim-de-ano a casa andava meio parada. Nao ha luz eletrica. Houve problemas com a policia, em verdade perseguicao politica. Veja bem. A casa eh um point ativista em Londres. O pessoal que frequenta eh normalmente envolvido com algum grupo ativista de Londres (Reclaim the Srteets, Woombles, etc) . Em dias de atividades eh possivel ligar eletricidade atraves de um gerador a gasolina. Fiquei por lah, e desde entao tenho vivido em meio a festas, baladas e reunioes politicas.

Quem realmente mora no espaco eh eu e o Simon. Comida normalmente nao falta, os proprios comerciantes da regiao entregam alimentos que estao pra vencer (bolos, iogurtes, falafel, pao, lanches prontos, salsichas vegans, etc).

Certo dia, eu estava em casa sozinho, e ouço pessoas conversando em portugues na porta de casa. Fui ver, estavam brincando com o gato. Era um cara e uma mina, imaginei brasileiros. Convidei pra entrar, tomar um cha e descubro entao que eles moram com uma amiga minha de Sampa, que eu nao via ha anos, desde que ela veio pra Europa. Eles moram bem perto. Fui ateh lah. Eh um pessoal muito legal, pena que a casa deles estah lotada, senao jah estaria morando com eles. Outro fato curioso foi na noite de ano-novo. Chegam um espanhol que aparece em casa as vezes, e o Guilherme, que tinha morado comigo em Marble Arch. Ele me conta que depois que sai do sul de Londres, ficou sem ter onde durmir. Passava os dias e as noites vagando pela cidade. Durmia em rodoviarias, estaçoes de trem, aeroportos. Na noite de natal ficou num abrigo para homeless. Ateh que conheceu e foi morar com o tal espanhol. Depois disso nunca mais vi ele.

Outra expectativa que eu tinha era pela chegada de uma amiga brasileira, que hoje mora em Atenas, na Grecia. Ela chegou aqui em torno do dia 10 de Janeiro. Ficou durante uma semana. Foi otimo estar com ela aqui. O pai dela eh grego, e ha 6 meses ela foi para lah, morar com uma tia. Ela nao fala grego, nem ingles, nem nada. Tao somente portugues. Com isso tem enfrentado muitas dificuldades. Acabamos nem saindo muito, ficando mais em casa, jogando gamao. Semana perfeita. Depois que ela foi embora me senti meio no vazio. Desde entao eu tenho estado mais sozinho. O Simon quase nao para em casa, e eh uma pessoa extremamente fechada, eh muito dificil "puxar" um assunto com ele. Numa cidade em que as pessoas chegam a dividir o mesmo quarto com 2 , 3 pessoas eh curioso que eu esteja vivendo numa casa enorme e e sozinho. Nao me sinto exatamente mal com isso. Gosto de estar soh. Mas nem tanto...